Artigos de Opinião

Nesta situação de pandemia as questões relacionadas com a saúde visual ganharam outra relevância, nomeadamente tudo o que se prende com a prevenção do contágio e em especial na utilização de lentes de contacto.
É importante desmistificar a ideia que neste momento não é seguro usar lentes de contacto. Após uma sistemática revisão da literatura, verifica-se que não existe evidência científica que sugira um aumento do risco de contrair COVID-19 ou outra doença viral nos utilizadores de lentes de contacto quando comparado com os usuários de óculos.

No mês de novembro comemora-se o Dia Mundial da Diabetes. A Diabetes Mellitus é um distúrbio metabólico que resulta de níveis elevados de glicose no sangue. Popularmente conhecida como açúcar alto no sangue, subdivide-se em vários tipos. Os vários tipos de diabetes apresentam complicações semelhantes, entre elas destacam-se o risco de lesões a nível dos vasos sanguíneos, rins e também do sistema ocular.

À medida que a prevalência da Diabetes Mellitus continua a aumentar, por consequente, existe uma maior predisposição para o desenvolvimento de complicações ao nível do sistema ocular.

O Teletrabalho e a telescola

O período de confinamento à qual a população foi sujeita, devido a pandemia da covid-19, obrigou de certa forma a que todos nós nos víssemos obrigados a alterar o estilo de vida considerado “normal”. Fomos obrigados a alterar as rotinas familiares e profissionais. Atividades de lazer, como a prática de desporto ou um almoço com amigos, deixaram de fazer parte do nosso quotidiano, dando lugar a outras ocupações restringidas ao confinamento.

Aparelhos auditivos e amplificadores auditivos são dois aparelhos muito diferentes.
Neste artigo vai poder perceber as diferenças entre eles e na realidade qual é o indicado e recomendado para a perda de audição.

Amplificadores Auditivos
Estão muito facilmente à disposição dos utilizadores. Por norma apresentam um preço relativamente baixo e consegue-se obter informação dos mesmos através de publicidade realizada na televisão e por folhetos que são colocados nas caixas do correio.

O Glaucoma é uma doença silenciosa...mas é a segunda causa de cegueira no Mundo…

12 de março é o Dia Mundial do Glaucoma. Uma doença silenciosa que afeta cerca de 4 milhões de pessoas no Mundo e umas das principais causas de cegueira. Este dia tem como objetivo sensibilizar as pessoas sobre esta doença ocular progressiva e o impacto positivo no seu diagnóstico precoce.

A 13 de fevereiro comemora-se o Dia Mundial da Rádio, meio de comunicação que nos acompanha há vários séculos e que se transmite através de radiofrequência, que é a taxa de frequência que abrange aproximadamente 3kHz a 300GHz e que corresponde à frequência das ondas de rádio que nos permitem captar e ouvir diferentes rádios.

Também a nossa audição funciona através de frequências. As ondas sonoras percetíveis ao ouvido humano situam-se entre as frequências de 20Hz e 20kHz, valores que variam muito quando comparados aos de outros animais, os cães, por exemplo conseguem captar sons entre os 15Hz e os 50kHz e os golfinhos conseguem ouvir frequências até aos 240kHz, o que lhes permite usar o som para se guiarem e comunicarem entre si a longas distâncias, sem nós os conseguirmos distinguir.

A 4 de Fevereiro celebra-se o Dia Mundial do Cancro, um dia internacional que tem como principal objetivo consciencializar toda a população para a doença.
O cancro é um problema de saúde global e, é uma das principais causas de morte a nível mundial nos países desenvolvidos. Já no nosso país, as doenças oncológicas são a segunda principal causa de morte. Favoravelmente, a hipótese de sobrevivência tem melhorado e continua a melhorar graças às diferentes modalidades de tratamento que existem e a um diagnóstico precoce.

A nível do sistema ocular o cancro pode aparecer sob diversas formas, podendo manifestar-se tanto em crianças como em adultos. Nos adultos um dos cancros oculares mais comum é o melanoma coroidal, já nas crianças é o retinoblastoma.

A vertigem e o desequilíbrio são sintomas muito frequentes e valorizados pela população, podem aparecer em qualquer idade e têm variadíssimas causas. É um sintoma que implica diretamente com a qualidade de vida, mas com o tratamento adequado muitas vezes pode ser ultrapassado.

A vertigem caracteriza-se por uma falsa sensação de movimento ou rotação, geralmente acompanhada de falta de equilíbrio, náuseas ou vómitos, podendo mesmo tornar-se incapacitante e impedindo a normal realização de tarefas do dia-a-dia.

90% do ar que respiramos habitualmente é ar interior e, tal como referido pela OMS, este pode estar até 10 vezes mais contaminado que o exterior. Os espaços fechados geram um ambiente viciado com um ar repleto de componentes tóxicos como partículas e gases que podem provocar transtornos respiratórios e de outro tipo, inclusive em pessoas saudáveis. A situação Covid exige ainda mais cuidados para garantir que o ar interior é o mais limpo possível.

Nesta situação de pandemia as questões relacionadas com a saúde visual ganharam outra relevância, nomeadamente tudo o que se prende com a prevenção do contágio e em especial na utilização de lentes de contacto.
É importante desmistificar a ideia que neste momento não é seguro usar lentes de contacto. Após uma sistemática revisão da literatura, verifica-se que não existe evidência científica que sugira um aumento do risco de contrair COVID-19 ou outra doença viral nos utilizadores de lentes de contacto quando comparado com os usuários de óculos.

A questão a colocar é como se deve usar e manusear as Lentes de Contacto em situação de Covid 19?

Pág. 1 de 2

Artigos de Opinião